A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios. Por isso, cante, chore, dance, ria e viva intensamente, antes que a cortina se feche e a peça termine sem aplausos.

Charles Chaplin

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Torcer não é para qualquer um...

Eu tenho um grande amigo, que não gosta de futebol(tá bom, ele pelo menos gosta de jogar) e no dia da final da Taça Guanabara ele levantou uma questão interessante e que até agora não consegui resolver, talvez vocês leitores sensatos possam elucidar.

Porque temos um amor incondicional e inconsciente pelo nosso time de coração? A tecla em que o cara em questão bate é o motivo de escolha de uma equipe e porque gostamos dela. Minha mãe é flamenguista e meu pai vascaíno, quando era pequeno, eu "torcia" para os dois times. Ambos diziam que não se pode torcer para duas equipes e tentavam me "obrigar" a logo fazer minha escolha. O que na verdade me impeliu a seleção foi a pressão de meus colegas de escola, com os quais tinha uma estima e convivência sem igual.

Então, fiz minha escolha, assinei meu tratado e marquei meu coração com um símbolo em brasa. Depois, não havia mais jeito. Eu não poderia por mais que muitas vezes pensasse na possibilidade, mudar minha opção. Logo, inconscientemente, fiquei preso à uma marca, um símbolo, uma imagem, uma instituição. E por mais que saiba que não há sentido no que faço ao torcer pela cruz de malta, não consigo deixar de pensar no que está acontecendo à minha equipe.

Por diversas vezes, por falta de tempo e talvez, se assim puder dizer, pelos caminhos que a Grande Estrada do destino me levou, fiquei sem acompanhar de fato meu time, quando encontrava alguém que eu sabia que via todos os resultados eu não receava em perguntar, talvez esse seja um ímpeto a que minha mente e corpo estejam fadados, uma depêndencia.

Também deve se frisar que, nem todos tem a mesma postura, pois mesmo eu tenho um querido amigo que amava um time como se ama a um pai e logo após desventuras e conseguintes tristezas, "mudou" para um time que em sua concepção o agrada melhor.

Ao fim, concluo que torcer não é algo necessário, e a sociedade não deveria impor isso aos que são pequenos e estão em processo de formação, a influência nessa idade pode ser muito prejudicial, pois nessa época ainda estamos formando um caráter. Além disso ainda não possuimos discernimento para manter uma sábia decisão, que como disse se prolongará por toda vida. Não sendo nem minha cabeça, nem todas essas críticas capazes de mudar minha mente e criar um desamor pelo meu Vasco da Gama.


Ben H.

"Existem coisas que não podem se mudar. Um homem possui um único destino."
(Frase adaptada da filosofia de Don Vito Corleone, personagem fictício criado pelo célebre escritor Mario Puzo.)

8 comentários:

  1. Eu achando que ia ser um texto decente... ¬¬

    ResponderExcluir
  2. Ao entender todo esse paradigma, o que pensa em fazer?

    ResponderExcluir
  3. acho q vou continuar do mesmo jeito, na verdade, não sinto vontade de mudar, estranho né?

    pq achou q ia ser decente, ele é incrível

    ResponderExcluir
  4. bastante interessante...
    Que fez esse texto?

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Salvo quando eu disser e citar o autor original, eu escreverei todos os artigos...

    ResponderExcluir
  7. Maneiro o post cara, e todod blog vc tem talento msm cara

    ResponderExcluir
  8. Obrigado mesmo cara, é bom ouvir isso de você, que me ensinou tantas vezes...

    ResponderExcluir

Que bom que você veio comentar, espero que não seja a última. Aproveita e conta para seus amigos, tenho certeza que eles vão adorar. Você tem chance de fazer desse, um blog melhor.